Arquivo para abril \22\+00:00 2011

Historiadores de butequim

H1 – Foi na segunda ou na primeira?

H2 – Segunda ou primeira o que?

H1 – Guerra.

H2 – Não sei. Do que está falando?

H1 – Das Malvinas.

H2 – Primeira – respondeu com propriedade.

H1 – A segunda foi onde mesmo?

H2 – Não sei bem. O Paraguai estava no meio.

H1 – No meio. A Argentina estava também.

H2 – De novo.

H1 – Na primeira e na segunda guerra.

H2 – Povo encrenqueiro.

H1 – Isto porque naquela época não tinha futebol.

H2 – Não tinha não?

H1 – Não.

H2 – Quando chegou lá?

H1 – Acho que foi depois do Cabral.

H2 – O que descobriu o Brasil?

H1 – Isso mesmo.

H2 – Ah! É. Ele se separou do Cristóvão Colombo, né?

H1 – E do Américo Vespúcio.

H2 – Foi mesmo. Cada um foi para um lado. Um descobriu a Colômbia.

H1 – O outro a América.

H2 – Então porque o Brasil não se chama Cabronia. Ou Cabrol. Ou…

H1 – Sei não. Acho que Cabral era de baixa patente na marinha Inglesa.

H2 – Por que eles se separaram mesmo?

H1 – Já li em algum lugar. Foi naquela guerra em pleno mar.

H2 – A dos Canudos?

H1 – Acho que foi. Por que Canudos mesmo?

H2 – Se não me falhe a memória é por causa daqueles canudinhos que os marinheiros usavam. Snorkel, eu acho.

H1 – Que nome para guerra.

H2 – Que povo que faz guerra.

H1 – Tinham que ser como aquele índio, o Ghandi. Fez uma guerra sem armas. Uma guerra de paz.

H2 – A Guerra do Pacífico.

H1 – Exatamente – com propriedade – Vamos parar de falar de Guerra.

H2 – Vamos. Teve um outro estrangeiro que veio no Brasil naquela época. Não teve?

H1 – De navio, né.

H2 – É. Foi o que fez a teoria da revolução.

H1 – Ah! Sim. O Darwin.

H2 – Isso. Como chamava o cachorro dele?

H1 – Cachorro?

H2 – Eu li em algum lugar do cachorro que ele usava para farejar novas espécies.

H1 – Ah! Sim. O nome do cachorro não me lembro. Mas a raça era Beagle.

H2 – Isso. Teve até um outro Beagle que mandaram para Marte.

H1 – Deve ser para farejar também.

H2 – Só que era Beagle 2. Se não me falhe a memória.

H1 – Por que Beagle 2?

H2 – Deve ser igual Pincher. Tem o 0, 1, 2… Deve ter a ver com tamanho.

H1 – Nunca vi um Beagle 2.

H2 – Deve estar extinto.

H1 – Credo. Quem iria colocar metade de uma raça em extinção?

H2 – Os chineses. Daqueles pode se esperar de tudo. Foi na dinastia King. Mandaram matar todos na época.

H1 – Mas King não é rei em inglês.

H2 – Chines. Sabe como é, né? Tudo falsificado. Tudo imitação. Era imperador para inglês ver.

H1 – Mas às vezes não foi o King. Os Beagle 2 podem ter sido extintos na guerra dos Boxers, na China.

H2 – Só se eles ficaram no front. Encarar um boxer com raiva não é para qualquer um.

H1 – Já estamos falando de guerra de novo.

H2 – De novo.

H1 – Sabe qual a guerra que me dá mais medo?

H2 – Não.

H1 – A guerra fria.

H2 – Nunca entendi este nome. Por que guerra fria?

H1 – Nunca ouviu falar do inverno nuclear. É frio pra caramba. Eu detesto frio. Dói o osso.

H2 – E estar numa guerra com osso doendo não deve ser mole.

H1 – E imagina pegar uma gripe numa guerra dessas. Vai ficar com febre até a guerra acabar. Não vai ter remédio num tempo desses.

H2 – Mas remédio falta em qualquer época. Não lembra, na época da colonização portuguesa aqui no Brasil? O tanto de mineiro que morreu de desenteria.

H1 – Ah, é. Nem para mandarem remédio de Portugal. Ficou na história. Tá nos livros.

H2 – É. A Incontinência Mineira.

H1 – O papo tá bom, mas eu tenho que ir. A aula já vai começar.

H2 – Vamos só tomar mais uma. Esse começo de aula sabe como é. Sempre atrasa. A saidera.

H1 – Tá bom. A saidera.

H2 – Aproveito e te conto de um lance que li num artigo do Wikipedia nestes dias. Um movimento militar dos anos 60 que quase terminou em golpe.

H1 – Esse eu não me lembro de ter lido. Na década de 60?

H2 – É um movimento dos militares recém-ingressos nas forças armadas. Gente nova. De baixa patente.

H2 – Ah! Já sei.

H1 e H2 – A jovem guarda.